Pular para o conteúdo

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO AUXÍLIO BRASIL: Lula toma decisão sobre empréstimo, saiba mais

    O Empréstimo Consignado do Auxílio Brasil é uma modalidade de contratação de crédito direcionada a beneficiários do Auxílio Brasil e do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

    Desde que entrou em ação, a operação já movimentou mais de R$ 9,5 bilhões em crédito consignado para mais de 2 milhões de famílias, números que, desde a posse do presidente Lula (PT), tem sido alvo de análises.

    Entenda a seguir, nesta matéria:

    COMO FUNCIONA O EMPRÉSTIMO DO AUXÍLIO BRASIL?

    A operação do Empréstimo Consignado do Auxílio Brasil possibilita que o beneficiário contrate um empréstimo consignado de até R$ 2.569,34, que será pago em 24 parcelas mensais de R$ 160,00.

    Será desta forma: R$ 600 – R$ 160,00 = R$ 440, valor que o beneficiário receberá da parcela do Auxílio Brasil no mês de pagamento seguinte, quando descontada a primeira prestação da dívida.

    Assim, o beneficiário terá o desconto aplicado à sua parcela do benefício todo mês seguinte ao de solicitação do crédito, até que a dívida seja quitada.

    CAIXA SUSPENDE EMPRÉSTIMO AUXÍLIO BRASIL

    O alto juros que a modalidade do Empréstimo Consignado do Auxílio Brasil oferece às famílias beneficiárias foi alvo de críticas por especialistas mesmo antes de virem a entrar em ação os bancos.

    Os números alarmantes, informações do Estadão Conteúdo e do Portal UOL, resultaram, para o recente Governo Lula, na necessidade de elaborar soluções para reduzir o endividamento dos beneficiários, uma das promessas do atual presidente.

    Durante a cerimônia de posse presidencial da CAIXA Econômica Federal, a nova presidente, Rita Serrano, anunciou a suspensão da modalidade e afirmou:

    “Eu já posso anunciar para vocês que nós estamos suspendendo o consignado do Auxílio por duas razões. A primeira é que o Ministério do Desenvolvimento Social vai revisar o cadastro, então como o Ministério vai revisar o cadastro, não é de bom tom que a gente mantenha, porque não sabemos quem vai ficar nesse cadastro ou não.”

    Rita Serrano, presidente da CAIXA Econômica Federal.

    A revisão dos milhões de cadastros irregulares do Auxílio Brasil também é uma proposta do novo Bolsa Família, que pretende incluir beneficiários prejudicados pelo sistema e excluir dos pagamentos aqueles que recebem indevidamente.

    Quanto à segunda razão que motivou a suspensão do Empréstimo Consignado do Auxílio Brasil, Serrano afirmou:

    […] os juros dessa modalidade de consignado são muito altos, então nós também estamos suspendendo para rever esses juros e vendo as possibilidades que existem para baixar esses juros, dentro, lógico, das regras de conformidade.

    Rita Serrano, presidente da CAIXA Econômica Federal.

    Consignado do Auxílio: Na Caixa, o crédito pode ser de até R$ 2.582
    Imagem: No Lugar Ideal.

    GOVERNO LULA VAI PERDOAR A DÍVIDA DO EMPRÉSTIMO DO AUXÍLIO BRASIL?

    O presidente Lula e equipes de diversos ministérios têm trabalhado para no projeto Desenrola Brasil, programa que visa tornar possível a renegociação de dívidas, uma das principais promessas de campanha do Governo Lula, para reduzir o endividamento das famílias beneficiárias.

    “Tão logo o projeto esteja pronto, certamente o presidente Lula vai lançar para o Brasil. E essa área relacionada ao Bolsa Família será tratada entre outros endividados do Brasil inteiro, das mais diferentes áreas.”

    Wellington Dias, ministro de Desenvolvimento Social e Assistência Social, Família e Combate à Fome.

    Quanto à possibilidade de “perdão” da dívida do Empréstimo Consignado do Auxílio Brasil, Serrano afirmou:

    “O banco não tem como fazer isso, mas eu acredito que há a possibilidade de negociar com o Governo, inclusive, para baixar os juros.”

    Rita Serrano, presidente da CAIXA Econômica Federal.

    Em nota oficial, a CAIXA Econômica afirmou que, “para quem já contratou [o empréstimo], nada muda. As parcelas serão debitadas de maneira regular e de acordo com cada contrato”.

     

    Fonte: Maria Mota / jc.ne10.uol.com